terça-feira, 4 de março de 2008

A procura da batida perfeita


Foi Marcelo D2 o cara que lançou essa frase: "A procura da batida perfeita". Desde o começo do ano entrei nesse grupinho. Mas não estou a procura da música perfeita ou da letra perfeita, e sim do amor perfeito. Ou não tão perfeito assim, só do amor mesmo. É, o relógio biológico esta começando a solicitar algo mais. Uma hora ou outra ele tinha que alarmar. Nada mais natural que seja agora, nos meus 25 anos.

Não quero me casar, não quero ter filhos agora.. não é nada disso. Só cansei de estar sozinha. Ser solteira também é bem legal. Poder ir onde quer, a hora que quer, sem dar satisfação a ninguém. Só avisar os pais e olhe lá. Mas já aproveitei bastante esses dois últimos anos. Beijei os gatinhos da minha listinha de pegáveis (é quem não tem os sonhos de consumo? hihi), fui em muitas festas, dediquei meu tempo a faculdade, ao trabalho e aos amigos.

Tenho tudo, minha vida é muito boa por sinal, mas falta o amor. Gostar de alguém, sentir um friozinho na barriga, sonhar e ficar com saudade. Alguém para dizer eu te amo lá do fundo do coração. Alguém para ficar falando que nem criança (todo casal faz isso!!!), alguém para chamar carinhosamente com um apelido, para passear na beira mar no final de tarde, para ir em todos os lugares, fazer a parceria, rir, chorar, ver filmes variados, assistir fantástico no final de domingo, ficar esperando na quarta-feira mesmo que seja para ficar vendo o jogo na TV. Alguém para me mandar flores, cartinhas, bilhetinhos, emails, para fazer uma surpresa romântica, um jantar romântico. Sinto falta de chorar por alguém, de rir por estar feliz do lado de alguém. Olhar aquela pessoa e pensar: que bom ter você aqui. Tantas coisas legais para se fazer não é? É um disperdício ficar com o coração vazio.

As pessoas foram feitas para encontrar seu parzinho. E nessa hora estou sentindo falta disso. Vou parar de fugir do amor, enfim. O medo me fez parar e esquecer como é legal ser feliz. Não é porque não deu certo uma vez, que nunca vai dar certo. Não é mesmo? Afinal de contas nascemos para a felicidade. O negócio é nunca parar de correr atrás dela.
Ilustração: Paulo Brabo

Nenhum comentário: