terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Tragédia bem explicada?

As tvs, jornais, revistas, internet, blogs, rádios... enfim todos os veículos de comunicação estão nos últimos dias falando sobre a tragédia resultante de fortes chuvas no Vale de Itajaí e na capital de Santa Catarina. É, vale dizer que são essas as regiões mais afetadas. Por exemplo no Oeste do estado falta chuva e no sul choveu muito mas não foram muitos estragos.

Lendo o site Comunique-se, um portal de comunicação, me chamou atenção o artigo do colunista Antônio Brasil (*). Nele o principal assunto era: falha na cobertura da tragédia. No primeiro paragráfo do texto a seguinte opinião:

"Se você acha que jornalismo na TV é show de imagens, profusão de lágrimas e excesso de perguntas ridículas então a cobertura das enchentes em Santa Catarina pela TV foi um sucesso.
Mas se você acredita que jornalismo de verdade, mesmo na TV, deveria investigar o que realmente aconteceu, a extensão e causas da tragédia, então a cobertura em Santa Catarina foi um... desastre."

O que vocês acham de tudo o que estão lendo/vendo/ouvindo sobre o assunto? O trabalho dos jornalistas está sendo bem feito?

Minha opinião...
Em alguns casos está havendo mais proveito do que trabalho. Aproveitam para fazer uma campanha aqui, um marketing ali, e um especial lá. Mas quero saber mais que isso, quero ver mais do que pessoas chorando e muita vezes sem condições de falar para alguém. Porque isso tudo aconteceu? Foi a primeira vez que aconteceu (eu sei que não, teve a enxente de 84)? Como reverter e tentar fazer com que isso não aconteça? A culpa é mesmo do desmatamento da amazônia? Os descuidos com a natureza já estão influênciando tanto assim? E como fica a população depois de tudo isso? O dinheiro que o governo está mandando vai ser utilizado para quê? Tantas perguntas... quero as respostas!

Tenho medo...
Agora ajudar é algo que todos estão fazendo. Estou orgulhosa do meu estado e do meu país. Mas e quando a notícia esfriar? Quando a TV passar a falar de outra coisa? Tudo o que foi doado vai acabar em algum momento. Analisando a burocracia para a ajuda do governo chegar até as pessoas, como a situação vai ficar? Não falo isso por falar, mas porque até hoje algumas vítimas do Catarina (furacão que atingiu o sul de Santa Catarine e norte do Rio Grande do Sul há 5 anos) não receberam o que lhes foi prometido. Para ajudar os bancos o auxilio é tão rápido, tomara que para a população isso também aconteça rapidinho.


(*) É jornalista, professor de jornalismo da UERJ e professor visitante da Rutgers, The State University of New Jersey. Fez mestrado em Antropologia pela London School of Economics, doutorado em Ciência da Informação pela UFRJ e pós-doutorado em Novas Tecnologias na Rutgers University. Atualmente, faz nova pesquisa de pós-doutorado em Antropologia no PPGAS do Museu Nacional da UFRJ sobre a "Construção da Imagem do Brasil no Exterior pelas agências e correspondentes internacionais". Trabalhou na Rede Globo no Rio de Janeiro e no escritório da TV Globo em Londres. Foi correspondente na América Latina para as agências internacionais de notícias para TV, UPITN e WTN. É responsável pela implantação da TV UERJ online, a primeira TV universitária brasileira com programação regular e ao vivo na Internet. Este projeto recebeu a Prêmio Luiz Beltrão da INTERCOM em 2002 e menção honrosa no Prêmio Top Com Awards de 2007. Autor de diversos livros, a destacar "Telejornalismo, Internet e Guerrilha Tecnológica", "O Poder das Imagens" da Editora Livraria Ciência Moderna e o recém-lançado "Antimanual de Jornalismo e Comunicação" pela Editora SENAC, São Paulo. É torcedor do Flamengo e ainda adora televisão.

Nenhum comentário: