terça-feira, 31 de março de 2009

Remédio para coração partido!

E não é que a medicina descobriu o remédio para coração partido? Isso dor de amor agora tem remédio. Aspirinas e os indicados para ataque cardíacos funcionam muito nessa hora. Segundo os cientitas japoneses, quem sofre de síndrome do coração partido tem os mesmos sintomas de um ataque cardiáco: falta de ar e dor no peito.

Foram 70 pacientes analisados, todas mulheres de meia idade. Algumas até entraram no hospital em estado crítico. Mas todas conseguiram sobreviver. O estudo foi publicado na revista especializada American Journal of Cardiology.

Bom, a dor física tem cura. E a emocional cada um resolve do melhor jeito. Não tem uma receita para isso né, infelizmente. Se bem que tem uma dica válida: dor de amor só passa com um novo amor. Mas enquanto o novo amor não vem, ficar sozinho (a) também faz muito bem. Parar, refletir, se conhecer melhor... faz muita diferença.

segunda-feira, 30 de março de 2009

O vício continua... Crepúsculo - Lua Nova

Continuo minha amada tarefa de ler os três livros da saga Crepúsculo publicados, sucesso mundial escrito por Stephenie Meyer.


Primeiro foi Crepúsculo. Filme e livro exaustivamente analisados, principalmente o filme. Agora Lua Nova, "devorado" em dois dias com uma incrível sensação de não conseguir parar de ler. Mistura de "ah cadê ele?", "que vampirinho medroso", "Ah eu sabia que ele era lobisomem", "até que seria interessante essa história de lobisomem complicar um pouco", "o que ele vai fazer? Corre Bella", "ai ele é fofo", "essa guria realmente tem faro para guri-problema", "nossa, que lindo", "existe realmente amor onde não é possível imaginar..." e assim vai. Eu lutando para conseguir ler as palavras na tela do computador, meu cerebro cansado e a história cada vez melhor. A escritora consegue fazer aquele tipo de texto que adoro: simples, com começo, meio e fim, que consegue te prender de uma maneira. Minha cabeça cansou de tanto ler, mas a curiosidade de saber o que iria acontecer era forte demais. Eu até espiei o finalzinho uma vez, só olhei assim. Vai dizer que ninguém já fez isso?



Nesse segundo livro Isabella sofre por amor, consegue ser mais isolada da sociedade do que nunca, encontra no amigo Jacob Black a parceria que precisava, volta aos poucos para a realidade mesmo querendo apenas uma coisa: Edward. Começa a praticar esportes radicais e no final tudo volta a ser como era antes. Ela realmente tem problemas graves.

O filme

Agora é esperar que o filme venha, parece que chega no final do ano (aham só no final do ano). Muitos rolinhos andam acontecendo nessa gravação. Paris Hilton quer fazer o filme (affe), a minha preferida atriz Dakota Fanning já está confirmada, a Madonna vai ser responsável pela trilha sonora (até que é legal, mas prefiro HC), Taylor Launter (foto ao lado), o menino lobo Jacob Black, quase não quis fazer o filme, Robert e sua mania de não tomar banho estão encomodando (ele é fedido mas é talentoso e bonito, por isso a foto está aqui hehehe), a repentina fama dos caras, a pressão de fazer um filme melhor que o primeiro... tão complicado quanto a história, mas espero que ele saia. Estou aguardando desesperadamente. Na verdade não tanto, ainda tem o terceiro livro para ler. Mas isso eu resolvo em três dias.



Trailler feito por fãs



Procurando informações para colocar neste post encontrei esse trailler feito pelos fãs anciosos pelo segundo filme. O bom é que o terceiro e o quarto também já estão confirmados. êeeee



Vamos ao trailler:




Qual o cardápio?

Morar sozinha é muito bom, mas fica difícil escolher o que fazer nas refeições todos os dias. Primeiro porque tem que ser feito em pouca quantidade, desperdício de comida faz mal para o planeta e para o bolso. Depois, não sei muitas receitas práticas para serem feitas. No final aquela dupla sempre ganha: arroz ou massa. Feijão ainda não arrisquei fazer, digamos que tenho um certo medo de usar a panela de pressão. Muita salada pode estragar na geladeira, uma pizza é grande demais para uma pessoa, uma lasanha também, pratos prontos são caros e as pequenas porções também. Nós, pessoas solitárias em seus lares, sofremos.

Estou aqui pensando o que fazer de comida neste domingo. Acho que vou fazer massa com molho de carne moida... é uma saída. Preciso encontrar um site que possa me ajudar nisso. Vocês ai tem alguma sugestão?

Falando mais sobre o assunto...

O número de pessoas que moram sozinhas no Brasil aumenta muito. Na última década somaram 6 milhões de pessoas. Em 1016 esse número pode dobrar. Por isso a atenção de fabricantes de diversos produtos e serviços estão se voltando para essas pessoas. Mas quem pensa que é fácil agradá-los está enganado. Os singles, como também são chamados, formam um grupo seleto e exigente. O Instituto Marketing Analysis Brasil divulgou uma pesquisa sobre esse nicho de mercado onde algumas conclusões são bem interessantes. São elas:

- os singles enxergam as compras como uma atividade de lazer (42%);
- costumam ir mais a bares e restaurantes que a média da população (42% contra 21%)
- fazem suas refeições em redes de fast- food com muita freqüência (36%).
- são também bons compradores de bebidas alcoólicas (45%)
- de doces e chocolates (66%);
- são responsáveis por 40% do consumo de produtos embalados individualmente
- preferem encontrar em um único endereço tudo o que procuram
- os solitários navegam em média 54 minutos por dia na internet, contra os 34 minutos gastos pela maioria da população.
(fonte: http://blig.ig.com.br/datafanning/2008/11/03/cresce-o-numero-de-pessoas-que-moram-sozinhas-o-que-elas-querem)

sexta-feira, 27 de março de 2009

Milk - A voz da igualdade

Nessa semana um dos filmes que assisti foi Milk, A voz da Igualdade. É uma obra biográfica do ativista, político e gay Harvey Milk. Ele foi o primeiro gay assumido a se eleger no serviço público americano na década de 70. O filme mostra toda a tragetória até a vitória, dilemas, conquistas e seu assassinato. Mas vale a dica do Blog de cinema da folha: quer saber mais da vida do ativista? Assista o título de Epstein.

Sean Penn aceitou fazer o papel principal e arrazou. Inclusive o filme foi eleito o melhor do ano pela Associação de Críticos em Nova York e Penn o melhor ator. Na premiação do Oscar levou para casa as estatuetas de Melhor Roteiro Original e Melhor Ator.


Igreja x sociedade


Analisando a parte social, o filme relata a briga de setores da igreja com a comunidade gay na época. Não só com os gays, mas negros e idosos, a chamada minoria. E foi com essa, e para essa minoria, que Milk (foto ao lado) trabalhou.

Quantas frases absurdas já foram ditas. Conceitos onde a igreja prega que a homossexualidade é um grande pecado, doença, aberração... tantos termos ridículos. Confesso que acho meio estranho ver casais homossexuais, mesmo que depois de 10 minutos eu nem ligue mais. Afinal de contas todos tem o direito de ser feliz e acho super legal assumir que se é. Mas algo no filme me chamou muita atenção: o dilema interior que toda essa classe vive. Até ter coragem de "sair do armário" muitas coisas passam na cabeça de meninos que não entendem porque gostam de meninos. Dai vem a luta contra a sociedade e seus preconceitos. Parece que não é fácil, mas ainda bem que o mundo está mudando.

Você quer assistir o filme? Então coloco aqui o trailer.

segunda-feira, 23 de março de 2009

Cuidado, ela enfeitiça...

Realmente não sei o que acontece, deve existir alguma explicação, isso não é normal e nem comum. Sou da opinião que avisos deveriam ser colocados enquanto não chegamos até ela. Posso ajudar citando alguns pontos onde as placas poderiam ser colocadas: na BR-101 sentido sul e norte, na via expressa, e também nas saídas de São José, Palhoça e Santo Amaro. Nelas avisos como: "hei, tem certeza que você quer ir até lá? Você pode não querer voltar". "Deixe de ser teimoso, você não vai conseguir fugir dela". Ou ainda: "Depois não diz que não avisamos." Mais próximo da ponte eu ainda reforçaria dizendo: "Tem certeza? Se possível, lembre de voltar para casa".

Devem ser as bruxas que vivem na ilha, pode ser história de pescador ou de rendeira, mas só sei que realmente Florianópolis é mágica. Quem conhece sabe o que estou dizendo, quem vier conhecer vai entender minhas palavras aqui escritas. Esse espaço de terra no meio do oceano é realmente um pedacinho encantado. Uma energia sem igual. Quem atreve-se a passar pela ponte corre realmente o risco de não querer mais sair. Ela fascina de um jeito. Comigo foi mais ou menos assim.

Hoje, meu atual cantinho no mundo faz aniversário. A ilha da magia completa 283 anos. Infelizmente algumas coisas andam estragando a beleza deste lugar. A violência e o trânsito são alguns dos problemas. Mas aqui é muito bom de viver.

Parabéns Floripa! E viva o feriadão de praia, sol e mar!!!

sábado, 21 de março de 2009

Ele é demais...

Depois que vi Crepúsculo estou seriamente pensando em parar de procurar o príncipe encantado e focar no vampiro encantado. Para piorar a paixonite adolescente pelo ator principal do filme que me atingiu bruscamente o cara é músico. Robert Pattinson canta músicas românticas e tem uma voz rouca linda. Só voz e violão é paixão na hora! Vai dizer? Quero esclarecer que não sou maria palheta ok? Mas a Paris Hilton é, e já está de olho no menino. Por favor anjinhos dos musos do cinema protejam o rapaz!

Tá, voltando ao planeta terra e para meu lugarzinho nessa ilha maravilhosa, para vocês curtirem o som do menino coloco aqui o link do site dele oficial no Brasil. Escutem a primeira música, ela é maravilhosa! A segunda também, que na minha opinião, faz trilha da melhor parte do filme. Quem viu sabe.




Após o post volto a leitura do primeiro livro da série. Dizem sempre que o livro é melhor que o filme, então quero comprovar dessa vez.

segunda-feira, 16 de março de 2009

Crepúsculo


"Então o leão se apaixona pelo cordeiro.
Cordeiro estúpido.
Que leão doentio e masoquista".













Existe melhor texto para descrever a paixão de um vampiro e uma humana. Sem falar que soa poético e irônico. Esse trecho faz parte do filme Crepúsculo. Depois de tanto ouvir falar da fama desse livro escrito por Stephanie Meyer, e do filme, resolvi ver o que realmente essa história tem de bom. TUDO! Os conflitos, o estilo de atuação, o amor sofrido, as barreiras, o ator charmoso, o humor negro, o ar de sedução e medo. Não sei ao certo o que pensar de tudo, existem tantas análises. Como sempre, por gostar do filme já o vi umas três vezes. Revi o final mais algumas e as partes mais legais também. E onde aparecem essas falas de certeza faz parte delas.

O que pensei ao ver o filme foi: que primeiro amor difícil dessa menina! Mas também pensei: Ela não gosta muito da vida e ele pode tirar isso dela. Não quer envelhecer e ainda pode ser eterna (análise do lado romântico da situação). Ele quer protegê-la por ser a presa preferida, a com o melhor cheiro e como ele mesmo descreve: "seu sangue é uma droga, a marca de heroína feita especialmente para mim". Uma entrega, uma superação... eu acho que pode ser amor essa história.

Eu quero ler todos os livros já!!! Para ver como isso tudo termina.
OBS.: Quem não se apaixonaria por um vampirinho desses heim? Eu arriscaria meu pescocinho com certeza. Como diriam algumas amigas minhas: Deus abençoe.... se bem que nem isso salvaria um carinha desse. Afinal de contas, vampiros já estão no inferno. É melhor estar no inferno abraçando um desses do que o capeta. Fora as piadinhas, nós mulheres sabemos como os garotos problemas nos atraem. Eita coisinha complicada. Falando nisso, o motivo da maçã estar na capa do livro é biblíco. Remete para a escolha entre o bem e o mal.

Para completar o post dois vídeos: O trailler do filme e o clip da música tema da história.



sábado, 14 de março de 2009

Diferenças da ilha

Jovens fazendo protesto, sindicalistas também protestando, hippies da UFSC, formigueiro de pessoas no centro, gente caminhando para lá, andando de bike para cá, ou aproveitando a folguinha para cair no mar. Meninos brincando de empinar pipa, sotaques diferentes, congestionamentos, pessoas despojadas, modernas e cada um na sua. Primeiras impressões de Florianópolis, que de tão linda e mágica consegue camuflar os problemas sociais existentes por aqui. A falta de saneamento básico e o aumento da violência são apenas um deles.

Quem vem para Floripa não quer mais sair daqui. Parece que ao passar pela ponte algo mágico atinge você. Será que são as bruxas? Dizem que elas estão por aqui. Uma grande cidade com ares de pequena. Dependendo o lugar que você vai ela nem parece ser uma capital. Um amigo meu disse que ao comparar Criciúma e Florianópilos acha que a cidade do sul do estado tem mais cara de cidade do que a ilha. Em certos pontos sim. Mas a cultura por aqui é infinitivamente melhor que Criciúma. Cultura do jeito de ser, opções de bares, boates, shows, teatros e tantas outras coisas.

Uma vez uma pessoa disse que Floripa te deixa bobo no primeiro momento, mas se depois de um ano você ainda estiver apaixonado por ela, pois bem, você passou no teste.

quarta-feira, 11 de março de 2009

Apenas o começo

Aqui estou no meu novo apartamento. Dividindo com duas meninas, ainda dormindo no chão porque a Colombo não entregou a cama box que comprei. Estou na sala, usando meu notebook e tentando pegar um pouco da internet de alguém através do wirelles. Minha internet está instalada aqui mas a tal operadora esqueceu de trazer o modem. É, estou sem internet... A sala tem as paredes azuis em dois tons. Apelidei de apartamento aquario, porque além de ser azul tem vários peixinhos na parade. Tem relógio de peixinho também. Um quadro de paisagem e o quadro do artista plástico criciumense Joelson Bugila. Adoro o quadro. Tem aqui também um mural de fotos da família e amigos.

Aqui estou, começando o que eu idealizei há alguns meses atrás. Planos surgem e devem ser seguidos, e foi isso que fiz. Coragem? Pode ser. Só que defino melhor como apelo da alma. Meu interior estava berrando para que tudo fosse mudado. Algumas coisas ainda merecem mudanças, mas cada coisa na sua hora. O primeiro passo foi dado. Ter paciência não é algo tão fácil assim. O mundo hoje é impaciente. Em algumas conversas nos últimos tempos duas frases foram ditas que marcaram muito: "As pessoas hoje estão muito imediatistas, não pensam a longo prazo". Ou ainda "Como as pessoas estão sem paciência para outras pessoas não? É um brigando com outro sempre". Vocês concordam? Eu sim. Mas sobre o imediatismo acredito que ele é válido na hora de saber aproveitar a vida. Pensar só no futuro nos faz esquecer do presente. E do que adianta pensar no futuro se ele nem pode chegar? Claro que temos que tentar fazer com que nossa vida seja tranquila daqui algum tempo, mas pensar só na fase dos 50/60 ou 70 nem rola. Ter a paciência para dar um passo de cada vez, para analisar que nada cai do céu do nada e que você precisa de tempo para conseguir tudo o que quer realmente não é nada fácil. Estou nessa luta há tempos. Só que já surgiram algumas recompensas dessa luta, e faz muito bem saber que realmente as coisas acontecem quando devem acontecer.

sábado, 7 de março de 2009

Eu sou mãe.... eu também...

Cachorras entram no cio de seis em seis meses. Quem tem alguma sabe: tem que cuidar porque elas ficam loucas e os cachorros mais loucos ainda. Eita maldita fase para um dono. Pois bem, eu tenho duas cachorras adultas e uma ainda adolescente. As duas primeiras já tiveram alguns cios, mas no último algum engraçadinho, ou alguns, conseguiram consumar o fato. O resultado veio depois de dois meses. Essa semana elas ganharam os filhotinhos. Primeiro foi a pretinha que ganhou três bem pretinhos igual a ela. Não consegui ver o sexo ainda, mas pelo que notei tem dois machinhos. A outra ficou com inveja e ganhou na noite seguida. A belinha ganhou quatro filhotes, mas infelizmente um morreu. Que triste não? Em pensar que depois vamos ter que tirar todos os filhotes delas me dá uma dor.

O interessante é notar o comportamento dos bichinhos. O fato mais interessante é como elas ficam aguniadas mas não fazem muito barulho para ganhar não. E nem tem muito sangue. Fiquei com medo que algo de mal acontecesse, mas deu tudo certo. O problema foi uma querendo pegar o filhote da outra, a pretinha é muito ciumenta sabe? Mas elas foram separadas e tudo ficou bem agora. Também é evidente a diferença de jeito de ser mãe de cada uma. A pretinha é uma louca, quando nos vê chegando faz festa sem pensar nos filhotes que geralmente estão mamando e caem no chão. Uma bagunça! Já a Belinha cuida das crias muito bem. Quando chegamos ela não levanta correndo, sempre fica prontinha para dar o leite e fica posicionada certinho para que os bebes fiquem confortáveis. Ela é um amor!!!

Pena que estou saindo de casa e não vou ver esses dogs crescerem certinho, mas o negócio é cuidar para ver se elas estão cuidando bem. E também procurar uma casa para cada um. Alguém ai quer? São seis vira-latas, sendo três pretinhos, dois mais branquinhos e um beje. Tem para todos os gostos hehehe.

quinta-feira, 5 de março de 2009

Aconteceu!!!

Há algum tempo fiz planos para minha vida. Sei que todos nós fazemos, mas fiz alguns bem específicos: ir morar em Florianópolis e trabalhar na área de jornalismo. E atrás deles comecei a correr. Foram quatro meses com essa idéia fixa, e no começo de fevereiro tudo começou a acontecer. Após quatro semanas encontrei um apartamento bem legal, montei parcialmente meu quarto e comprei alguns itens que faltavam ao apê. Vou dividi-lo com uma prima e uma amiga, vai dar tudo certo. Mas como perdi minhas férias procurando apê, nem consegui ir atrás de trabalho direito. Só que o destino me deu aquela forcinha e o emprego surgiu. Entrevista na quinta, contratação na sexta. Pedido de demissão na segunda e início no novo emprego na próxima segunda. Tá bom né? Nada... está maravilhoso! Agora é continuar correndo atrás e aguentar o início difícil dessa mudança. Sei que vou chorar, sei que vou estranhar, sei que vou começar a dar mais valor a minha família, morrer de saudade dos meus amigos e da cidade onde vivi esses primeiros 26 anos de vida. Mesmo sem ir já comecei a sentir isso tudo. Só que em contra partida estou muito realizada, feliz e com esperanças. Viva!!!