quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Para lembrar de Senna


Ele alegrou meus domingos, me fez acordar cedo e me fez ficar acordada na madrugada, ou acordar no meio dela, para não perder uma corrida. Ele alegrou meus domingos e os de muitos brasileiros. Ele se chama Ayrton Senna da Silva, um dos maiores pilotos de Fórmula 1 da história e tricampeão mundial. Um ídolo brasileiro que fez o povo acreditar que era possível vencer numa época tão difícial para o país. Rever sua vitória no GP Brasil quando ele finalizou a prova com o câmbio de marchas travado na sexta marcha é uma mostra de como ele podia se superar. Ver como ele ficou exausto no final dessa corrida, como ele sentia dores e mesmo assim conseguiu levantar o troféu foi algo realmente motivador. Foi uma corrida e tanto.

Ele era tudo isso e eu não sabia. Eu era apenas uma criança e lembro que chorei muito naquele primeiro de maio de 1994. E isso tudo voltou à tona ontem ao assistir o documentário Senna. Sua história, sua vontade de vencer, sua determinação, seus erros, seus inimigos, sua luta por uma Fórmula 1 mais segura, suas descobertas, sua evolução... isso tudo você encontra no documentário. E também aquela corrida, aquela sétima volta que não terminou e aquela curva. Chorei mais uma vez. Ele marcou a vida de muitos brasileiros, um povo que precisa tanto de heróis. Um povo que na verdade é composto por heróis na sua luta diária pela sobrevivência. Mas ele foi naquele momento o que o povo precisava, foi o que a Fórmula 1 precisava para ser mais segura, foi o que ele deveria ter sido.

Um comentário:

Liou disse...

Interesante...