quarta-feira, 31 de março de 2010

Quando a sogra é uma bruxa, o que fazer?


Com todo respeito as bruxas, que na verdades são as wiccas, mas não pensei em outro adjetivo melhor para o título deste post. Recebi um comentário desabafo em um texto que publiquei no ano passado. A pessoa que não se identificou escreveu isso:

Minha sogra é da pior espécie!Nunca vi mais falsa!Na minha frente ela é um amor e por trás fala mal para todo mundo a meu respeito, e não só de mim das minhas outras duas cunhadas também. Morei com ela três anos, quase surtei até que meu marido tomou a decisão de irmos morar sozinhos (graças á deus que benção). Durante esses três anos vi muita coisa (ela odiava o casamento dela,quando fui morar lá ela passou a dormir na sala da casa dela,odiava meu sogro o repugnava. Mal se falavam, se ele estava na cozinha ela estava na sala e assim era. Quando meu marido chegava do trabalho ela fazia de tudo para que ele não saísse de perto dela, e nos finais de semana se fazia de coitada dizia: eu odeio final de semana, quando chega sexta feira por que sempre fico sozinha. e meu marido não dava bola. Ela se faz de coitada..meu marido tinha horror ao pai pq ela botou tanta coisa na cabeça dele que ele queria vê-lo também!Olha deus me livre passei um bocado com ela...e agora só de pensar que terei que vê-lá tenho dores de barriga..sempre. Ela estabeleceu que temos que almoçar um dia por semana na casa dela mais eu não quero, e gostaria que meu marido não fosse sozinho pois ela o manipula e ele caí que nem um bobo. Só que ele também não entende por que não quero ir e eu não gosto de falar mal dela para ele pois ele vira bicho, já chegamos a brigar feio por que falei dela para ele. O que faço ajudem-me.
Que triste conviver com pessoas assim heim? Confesso que já conheci pessoas infelizes assim e de mal com a vida. Não é nada fácil aturar a energia negativa que elas passam. No seu caso amiga anônima você não tem como fugir. Para a felicidade do seu relacionamento acho que você vai ter que comprar remédio para dor de barriga uma vez por semana. A bruxa aí é a mãe do cara que você ama, então vale a pena sofrer um pouco. A não ser que você procure um outro marido e outra sogra. Mas convenhamos, encontrar um bom marido nos dias atuais não está tão fácil não goria.

Tá e como encarar a fera? Não fale demais nem menos. Seja cordial, faça como toda pessoa educada faria numa situação dessas. Escute tudo o que ela tem pra dizer, conte o mínimo possível da vida de casal de vocês e quando chegar em casa pegue um litro de água, coloque sal grosso e tome um banho. As energias negativas vão por ralo abaixo. Boa sorte! Seu teste será a Páscoa, momento de encontrar família, amigos... e a sogra.

terça-feira, 30 de março de 2010

Será que agora ele ficou bom?

Quero dividir com vocês uma teoria: quando o PC começa a ir para a assistência técnica ele nunca mais será o mesmo. Ele começa a mudar, não tem mais o mesmo rendimento, fica meio rebelde, devagar... sei lá, nunca dá certo. O meu iniciou essa fase em janeiro. Inclusive ele ficou mais na assistência do que aqui comigo. Isso explica a ausência de textos por aqui. No trabalho o dia é muito corrido para eu parar e escrever algo para vocês. Sem falar que no sofá de casa ou na minha cama as palavras fluem melhor, pelo aqui para esse espaço.

segunda-feira, 15 de março de 2010

Ctrl C, Ctrl V: Nenhum vencedor acredita no acaso

Quem disse a frase "Nenhum vencedor acredita no acaso" foi Friedrich Wilhelm Nietzsche, filósofo alemão, em 1844-1900. Pelo jeito, algumas coisas da vida sempre foram iguais desde o começo. Mas o texto que vou colocar aqui é do Luiz Antonio Silva, palestrante e diretor da PHAROL-RH. Sempre recebo textos dele e adoro todos. Esse em especial combina muito com a segunda-feira, afinal de contas começa mais uma semana e temos a chance de fazer tudo de novo e diferente em alguns casos. Não costumo dar Ctrl C e Ctrl V, mas esse texto merece.

Se visto pelo angulo espiritual o verdadeiro homem de bem é aquele que pratica a lei de justiça, de amor e de caridade em sua maior pureza. Se interroga a consciência sobre seus próprios atos, pergunta a si mesmo se não violou essa lei; se não fez o mal e se fez todo o bem que podia; se negligenciou voluntariamente uma ocasião de ser útil; se ninguém tem o que reclamar dele; enfim, se fez aos outros tudo o que gostaria que se fizesse para com ele. 

No sentido sentido profissional o homem de bem não acredita no acaso porque conhece o caminho árduo e difícil que trilhou. Sabe que escalou montanhas de obstáculos, venceu abismos de dificuldades, e com isso aprendeu que tudo na vida tem um sentido, por isso ele hoje dá um sentido a tudo na vida. As experiências vividas ajudou ele a descobrir que vencer na vida é mais que um simples pódium, e fica feliz por ter como prêmio ter amadurecido no labor da batalha.

Portanto amigos, acreditem que nada obedece uma fatalidade, a não ser a lei da evolução.Tudo em nossa vida é um convite para ser transformado com responsabilidade e muito trabalho!

terça-feira, 9 de março de 2010

Eduardo e Mônica animado

Viajando no Orkut vi que um amigo adicionou esse vídeo nos seus preferidos. Resolvi postá-lo por alguns motivos. Quais são? São esses:

- Legião será sempre Legião e sinto falta de músicas como essas;
- Sinto falta de músicas que falem algo a mais do que o besteirol emo;
- e a animação ficou muitoooo legal. Ficou fofa e engraçada.

Enfim, acho que esses motivos estão bons né? Então dá o play e curte.



Tem também o Faroeste Cabloco animado. Adorei todos!

segunda-feira, 8 de março de 2010

Ser mulher

Não sei você, mas eu adoro ser mulher. Mesmo sendo tão difícil ser. Por um tempo não tivemos direito algum, lutamos muito e conquistamos nosso espaço. O problema é que hoje a mulher tem que ser linda, bem casada, profissional exemplar e com tempo para viver. Só falar cansou. Lutamos para ter liberdade e acabamos entrando em outra prisão: a super mulher. Essa perfeição toda só funciona nos comerciais e nos filmes. No dia-a-dia o negócio é bem mais complicado. Mas tudo bem, eu ainda assim adoro ser mulher.

Conquistamos também uma maior liberdade sexual. Sexo casual hoje é bemmmm mais comum. Ficar com alguém mais velho ou mais novo, não ser neurótica por casamento, ser mãe independente, poder se separar... quanta coisa. Somos mais livres, só que ao mesmo tempo a liberdade às vezes estraga. Alguns homens não levam a gente tão à sério e até ficam assustados com essa nova atitude. Não sei você, mas sexo casual pra mim não funciona. Eu faço amor. É errado? Pode ser, porque deixo muita diversão de lado. Mas fazer o que se o romantismo ainda faz parte de mim? Tá eu sei que o amor é mais realista e prático. Só que no fundo eu sou uma simples mulher. Nós sonhamos ainda, mesmo não tendo muito tempo para isso.

Não sei você, mas acho que algumas coisas tem que mudar. Não devemos esquecer que acima de tudo somos mulheres. Queremos nossos direitos, mas também queremos ser quem somos... ser mulher.

Feliz dia da Mulher meninas!

quinta-feira, 4 de março de 2010

Entrevistei a Maria Gadú

Tenho aqui no blog o costume de sempre dar uma dica musical na quinta-feira, é o música de quinta que na verdade só traz música boa. Em outubro do ano passado eu ouvi o som da Maria Gadú e postei aqui. Afinal de contas, som bom é para ser espalhado. Continuei ouvindo o som da moça, baixei alguns sons, acompanhei tudo o que acontecia até que em fevereiro ela veio fazer um show aqui. Claro que não perdi o show e ainda entrevistei a cantora para o programa que produzo na TVCOM, o Na Pilha.

Primeira entrevista para o programa e a ansiedade era grande. Como fazer, o que fazer, algo sério, algo mais brincado? Pensei e formulei as perguntas. Fui para a praia, curti o show e fiquei esperando a hora de conversar com ela. O calor danado que fez naquela tarde acabou com qualquer produção para ficar bem na telinha. Só uma coisa eu sabia, depois da entrevista eu iria correr para o mar.

Pronto chegou a hora e lá fui eu conversar com ela.

quarta-feira, 3 de março de 2010

Quarta do sofá: Eles tem medo de namorar (?)

Você conhece alguém, rola uma sintonia legal, vocês começam a sair, você conhece os amigos dele e ele os seus. Pronto, o próximo passo é o namoro. Só que a tal intimação para o compromisso não é proferida pelo gato. O menino te enrola, enrola e continua enrolando. Você se sente uma panqueca ou sushi... pronto, hora de parar e analisar a situação. Uma alternativa: faça você mesma o pedido. Ou incorpore uma terapêuta e analise o porquê de toda essa enrolação. Dizem por aí que os caras tem medo de namorar. Os motivos seriam:

Medo de ser abandonado - deu algo errado na família e o guri pensa que vai rolar com vocês também. Esqueceram ele um dia na escola por quatro horas e ele pensa que você também fará isso (essa parte eu inventei mesmo sabe?).

Trauma de namoro mal sucedido - gamou uma vez, se deu mal e tem medo disso acontecer outra vez. É, isso é difícil mesmo.

Eterna criança - não admite que a idade está chegando e nem as fases que o amadurecimento traz. Namoro, noivado, casamento, filhos... (até eu fiquei com medo agora). Os compromissos da vida, evolução e assim vai.

Comodismo - assim tá bom, por que namorar?

Amigos, carreia ou estudos em primeiro lugar - os planos do cara são outros e você apareceu na hora errada. Ele tem outras prioridades no momento.


Sinceramente? Acho isso tudo besteira. Se o cara está afim está e pronto. Os planos podem mudar, oras. E vale dizer que nós mulheres também temos esses medos. Já foi o tempo em que mulher só buscava um companheiro. Queremos independência, queremos viver, queremos experiências, queremos muitas coisas. Em alguns momentos o medo bate sim, para ambos os lados. Então, se o cara estiver te enrolando chega e pergunta: e dai, qual vai ser? Se ele disser não você vai chorar, vai ficar triste, mas logo logo encontra outro cara para se incomodar. Isso é fato. Ou enrole ele também. Até que um dia o cara certo, e sem frescura, aparecerá em sua vida.
Foto: uma peça da Lulu Artes.

terça-feira, 2 de março de 2010

A vida é melhor quando as unhas estão feitas

Não sei vocês, mas estar com as unhas feitas me faz um bem. Parece que estou preparada para tudo. E dependendo da cor estou mesmo. Vermelho é para encarar as semanas dificeis. Rosa para ficar mais feminina. Lilás quando quero ficar mais zen. Amarelo, azul, verde... cores para dar uma animada e diferenciar. Sem falar que fazer unhas é terapêutico, um momento para cuidar de mim. Detalhes que fazem a diferença.
Se você gosta de fazer unhas, igual ou tanto quanto eu, fique ligada nas cores desse outono inverno. O vermelho nunca sai de moda né. Mas o prata, dourado, cinza, preto e o nude surgem com tudo. As cores flúor do verão não nos pertencerão mais. A moda é o marron minha gente. Ah, e o brilho também ficará de lado para o opaco reinar.


Quando o frio chegar vou experimentar. Por enquanto eu prefiro a vida assim mais colorida.

segunda-feira, 1 de março de 2010

Um luau em noite de lua cheia

Tudo começou assim: quero fazer um luau. A correria da semana acabou com meus planos. Organizar algo assim ficando na TV 14 horas por dia não parecia ser algo fácil. Até que uma conversa na manhã de sexta-feira foi iniciada. O objetivo era reunir o pessoal para um churrasco. Dai aproveitei e disse: ai queria fazer um luau. Então o churrasco aconteceu na beira do mar no dia seguinte. Que jeito legal de passar uma noite na beira do mar com os amigos e com a lua. Recomendo isso viu. Fogueira, o mar calmo da praia da Daniela em Floripa, viola, amigos, papos, churrasco, cervejinha gelada... enfim, algo muito legal de fazer.

Se tudo der certo, na próxima lua cheia a galera vai aproveitar essa vibe outra vez. Por enquanto, sai desse computador e vai ver a lua que continua cheia e linda. Se bem que por aqui ela está coberta por nuvens. Só que lua é lua.